segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Uma visita para ficar na história

Pe. Marcus Mareano

Eu tive a oportunidade de visitar, no final de semana passado (12 e 13 de dezembro), o mosteiro no qual viveu o Pe. Caetano.

Eu tinha planos para fazer isso depois, mas o Irmão Narcélio apressou minha ida para colher dados sobre o Padre para um material que ele está preparando.

Eu fui com um casal amigo daqui da Bélgica, ele holandês e ela chilena. A viagem por trem de Lovain para a cidade mais próxima do mosteiro, Florenville, dura cerca de três horas. Depois que chegamos à estação, caminhamos 15 min até o centrinho da cidade, aonde comemos e procuramos algumas informações para chegarmos ao mosteiro.

Visão aérea do Mosteiro de Orval
Orval se situa mais afastado da cidade. Então, tínhamos que pegar algum transporte até lá. Por ser sábado, não funcionava ônibus naquele dia nem havia táxi. Por sorte, consegui um contato de um senhor com a atendente do supermercado, ele nos levou até Orval.

Depois que nos instalamos na hospedaria, fui fazer alguns registros para enviar e rezar na igreja. A construção das dependências do mosteiro é antiga, simples, mas muito conservada. Apesar de difícil acesso, Orval é um dos mosteiros mais visitados da Bélgica. Nos dias que passei, a hospedaria, que é grande comparada com outras que visitei, estava bem preenchida e o abade me disse que costuma ter mais pessoas ainda. Curioso, o mosteiro não é procurado apenas por cristãos, na ocasião havia um grupo de budistas que frequentemente visita o mosteiro para oração. Segundo o abade, não-crentes e pessoas de outras religiões frequentam muito o mosteiro e há alguns encontros, retiros e lectio divina bem participado por tais pessoas.


No domingo, depois das Laudes, o Pe. Bernard me convidou para acompanhá-lo. A comunidade se reuniu para um diálogo sobre o Padre Caetano. Eu disse algumas coisas e eles falaram um pouco também, quatro dos que estavam presentes conviveram com o Pe. Caetano.

Eles disseram que se lembram do Padre, que era professor de Bíblia (Antigo e Novo Testamento), gostava da biblioteca e a reorganizou criando uma catalogação para os livros. Também reformou um jardim. Outra impressão que falaram, que era um homem simpático, gostava de cumprimentar as pessoas e sempre sorria. Também ficaram impressionados com os frutos do trabalho do Padre: a Nova Jerusalém, a Paróquia Cristo Redentor, os trabalhos sociais etc.

Pe. Caetano na Biblioteca do Mosteiro - Arquivo da Abadia de Orval

Depois da missa, o Abade (Dom Lode) veio me encontrar e tomamos uma cerveja de Orval juntos e o queijo do mosteiro. Ele é muito simpático, fala muitas outras línguas além do francês e já visitou o Brasil (PR), Chile, Argentina e outros inúmeros países no mundo para conferências, cursos e retiros. Um homem culto, amável, fraterno e atencioso. Perguntei-lhe sobre a possibilidade de voltar ao Brasil e conhecer a Nova Jerusalém. Ele está disponível e se agrada da ideia.

O Abade me falou que não conheceu Pe. Caetano, porque entrou depois da saída dele e não voltara ao mosteiro. Ele conheceu a história do Pe. Caetano, viu um vídeo sobre a morte dele e leu algo sobre a Revista Bíblica Brasileira. Após o almoço, fez a gentileza de nos levar à estação.

Impressionou-me mais ainda o testemunho do Pe. Caetano. Senti mais de perto a renúncia que ele fez e o valor do sim do nosso Padre a Deus. Ele abandonou uma instalação, uma vida estável, um ambiente agradável, o trabalho profícuo no mosteiro etc. Mudou-se para outro continente, outro idioma, convivendo com grandes diferenças: culinária, clima, costumes, cultura etc. Como ele gostava de dizer, não voltou atrás. Preferiu os pobres, o Pirambu, os pescadores, a marginalização, os desafios sociais e todas as coisas que enfrentou na vida dele.


Pe. Caetano no início de sua chegada ao Brasil - Arquivo do Mosteiro de Orval

Como filho do Pirambu, penso como seria esse bairro sem o Pe. Caetano. Que seria de nós sem a herança da vida dele doada em serviço. Sei que ainda há muito por fazer no Cristo Redentor, em Fortaleza, no Brasil e no mundo. A fé do Padre anima-me e nutre em mim esperanças de coisas novas (re)criadas por Deus. 

Neste advento, na alegria da espera de Deus que nasce na nossa carne, desejo a esperança que experimento e de que o Natal se realize em nossas vidas, oferecendo-as como fez o Filho de Deus, o Pe. Caetano e outras testemunhas que nos precederam na fé.


Pe. Marcus Mareano - Bélgica 

4 comentários:

Unknown disse...

e significativo e profundo poder conhecer o lugar onde Deus pensou em criar a Nova Jerusalém isso porque a existência da Jerusalém tem uma relação inseparável da vocação do oadre Caetano.Conhecer o espaço onde padre Caetano respondeu e viveu a primeira fase de sua vocação e uma experiência mística.Que ilumine sempre sua vocação padre Marcos.Feliz Natal e ano novo

Pe. Edison Coelho disse...

e significativo e profundo poder conhecer o lugar onde Deus pensou em criar a Nova Jerusalém isso porque a existência da Jerusalém tem uma relação inseparável da vocação do oadre Caetano.Conhecer o espaço onde padre Caetano respondeu e viveu a primeira fase de sua vocação e uma experiência mística.Que ilumine sempre sua vocação padre Marcos.Feliz Natal e ano novo

Unknown disse...

Valorosa essa visita, apesar de não estar mais no rebanho católico, amo demais a história do Pe.Caetano, e adimiro o plano dele para a Nova Jerusalém!

SORAYA disse...

OI ME CHAMO SORAYA MORO NA COLÔNIA, PERTO DA NOVA JERUSALÉM E FUI CRIADA COM ELE, E ELE ME ENSINOU TUDO O Q EU SEI ATÉ HJ, SE POSSIVÉL SE VC QUISER TIVR UMA GRAÇA, QUE EU RECEBI DELE OMEU FILHO NASCEU COM UMA MAL FORMAÇÃO E TIVE A GRAÇA DE UMA PEQUENA CURA DELE SE VC QUISER ENTRAR EM CONTATO COMIGO, MEU TELEFONE É (85)986694505 ESSE ÉI MEU NÚMERO E O WATZAP, BJS. E ADOREI SEU LUVRO.

Postar um comentário