segunda-feira, 8 de junho de 2015

Padre Caetano Minette de Tillesse - Trabalhos Sociais

O trabalho de Padre Caetano não se resume apenas ao âmbito religioso do Bairro Cristo Redentor (Pirambu), ele iniciou uma movimentada atuação junto aos moradores do lugar, dando continuidade ao trabalho pioneiro iniciado pelo Padre Helio Campos, continuando os trabalhos com os Conselhos Comunitários, Conselhos das Zonas, Conselho Geral, Comissão de Conciliação e Comissão Eleitoral. Dando-se continuidade ao trabalho, foi elaborado o estatuto do Conselho Geral Comunitário. O primeiro trabalho feito por Pe. Caetano junto com o Conselho Comunitário foi a abertura da Av. Dr. Theberge até o mar, pois antigamente havia muitos alagamentos que causavam transtornos aos moradores.
Rua Santa Elisa antes da chegada de Pe. Caetano (1953)
Fonte: Centro Comunitário do Pirambu
A seu pedido a Prefeitura fez: o primeiro esgoto do bairro, desde a rua Camélia ao mar, o calçamento da Av. Dr. Theberge até o mar — Na Zona de Casas Novas: o calçamento da rua Santa Elisa (800m) religava Casas Novas, que ficava numa duna intransitável e representou uma integração e urbanização definitiva, atingindo mais de 1.000 casebres do povo. Logo que chegou o calçamento, o aspecto dos casebres mudou totalmente, começaram a fazer uma frente de tijolos, a alinhar as casas e melhorar o aspecto exterior e interior; fazer fossas sanitárias, adquirir filtros etc. Foi conseguido da prefeitura a construção de um chafariz na frente do Centro Comunitário, para dar água potável ao povo. 


O antigo chafariz à esquerda, a nova Capela de São Cura D'Ars e a sede
do Conselho Comunitário da Zona de Casas Novas - Fonte: Google Earth 2015

Nas esquinas da rua Santa Elisa com Vicente de Saboia, foi feito um esgoto que acabou com a torrente de água que descia todos os invernos e derrubava as casas perto da praia. Na Comunidade Casas Novas foi ampliado o Colégio São Cura D’Ars, que comportava apenas 4 salas pequenas; foram construídas 8 salas grandes e uma quadra de esportes, passando de 400 alunos para uma escola integrada de 1ª à 8ª série do ensino fundamental com mais 100 alunos numa das faixas mais pobres de nosso bairro. Para tanto foi conseguida verba da Secretaria de Educação, contudo, a construção foi realizada pela comunidade, juntamente com Pe. Caetano. A própria designação do novo bairro como Cristo Redentor foi proposta sua, prontamente acatada oficialmente pela prefeitura de Fortaleza em 24/04/1974.


EMEIF São Cura D'Ars (Rua Camélia) - Fonte: Google Earth 2015
Na Zona de Arpoadores: Pe. Caetano doou um terreno e a Secretaria de Educação do Estado construiu uma grande escola, inteiramente nova, a EEFM São José dos Arpoadores, que hoje atende  mais de 1.000 alunos carentes. Ainda nesta Zona, na década de 1990, cedeu uma parte do terreno do Instituto Nova Jerusalém para a Prefeitura de Fortaleza construir a Creche Comunitária Cristo Redentor, que até hoje atende crianças carentes da área. A Escola Marvin (hoje com ensino profissionalizante) também foi fruto de suas lutas e conquistas. Foi uma batalha de mais de dois anos para conseguir as autorizações da União Federal e o acordo dos donos do terreno. Hoje a escola atende a uma média de 3.000 alunos do Ensino Médio e Fundamental. 


EEEP Marvin
Fonte: eeepmarvin.blogspot.com
Doou ainda outro terreno na Zona do Japão para a construção de um Posto Policial (3ª Cia do 5º BPM); e conseguiu ainda nesta Zona com a colaboração do Lions Club de Fortaleza a construção de mais uma escola de ensino fundamental e médio, a EEFM Lions Jangada.

Sede da 3ª Cia do 5º Batalhão da PM do Ceará (esquerda) e
CEJA Mons. Helio Campos (direita) - Fonte: Google Earth 2015
EEFM Lions Jangada antes da atual reforma (Rua Camélia)
Em 1969 foi inaugurada uma instituição para amparar as crianças abandonadas da comunidade. Mais de 100 crianças carentes e abandonadas foram acolhidas na Creche Infantil Cristo Redentor, sendo uma boa parte dessas (cerca de 56 crianças) registradas com seu próprio sobrenome "Tillesse", algumas deixadas na porta de sua casa. A pedido de Pe. Caetano foi construída pelo Governo estadual uma Casa-Creche, a Casa da Criança Sevlla Médicis, hoje Unidade de Acolhimento Casa Abrigo, que é mantida pela Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS) e atende 82 crianças na faixa etária de 0 a 12 anos.


Casa Abrigo (Rua Camélia) - Fonte: Google Earth 2015

O Ginásio Cristo Redentor, também com ajuda do Rotary Club de Fortaleza, foi uma conquista no campo da educação, funcionando como uma escola integrada de ensino Fundamental (hoje também com ensino médio), atendendo mais de 800 alunos.


EEFM Cristo Redentor (Av. Pasteur) - Fonte: Google Earth 2015
A AVENIDA LESTE-OESTE (Presidente Castelo Branco) também é projeto seu. Havia um projeto para essa avenida que iniciava no Centro indo até a Av. Pasteur e lá terminava. Havia também, só na planta, sem orçamento e sem prazo de realização, uma possível continuação dessa avenida que iria atravessar o imenso quarteirão incluindo entre as avenidas Dr. Theberge e Pasteur ao Leste-Oeste, e entre as ruas Nsa. Sra. das Graças e Santa Terezinha (atual Leste-Oeste) ao Norte e ao Sul. Este projeto iria destruir uma grande parte dos casebres naquela área. Pe. Caetano pessoalmente estudou o problema, conseguiu uma planta aerofotogramétrica da área, e elaborou um projeto que comunicou pessoalmente ao então prefeito Vicente Cavalcante Fialho e ao Engenheiro da SUMOV (Superintendência Municipal de Obras e Viação), Dr. Renato, encarregado da realização da avenida. Mostrou o projeto traçado no mosaico aerofotogramétrico, levando o prefeito e o engenheiro até o local, do lado da Zona do Japão e arrodeando pela Av. Francisco Sá, do lado da Colônia atravessando as hortas até chegar a Barra do Ceará (onde já havia 1.800m de calçamento). Mostrou como seria mais econômico e funcional o seu projeto e que iria prejudicar bem menos o povo, e até ajudando com a abertura de um acesso direto, fácil e rápido para o Centro da cidade, para os hospitais e locais de trabalho. Eles, convencidos e empolgados com a ideia resolveram fazer e assumir o trabalho, avisando o povo que isso seria feito em atenção ao povo mais necessitado.


As obras da Avenida Humberto de Alencar Castello Branco se iniciaram em 1973
e foram concluídas um ano mais tarde pelo Prefeito Vicente Fialho.
Fonte: Blog Fortaleza Nobre
Sendo considerada a maior obra de gestão do Prefeito Fialho, que governou o município de 1971 a 1975.
A intenção era ligar a zona portuária do Mucuripe à zona industrial da Barra do Ceará.
Na área de Colônia e Arpoadores havia também outro alagamento grave todos os anos. A Lagoa do Mel não possuía sangradouro do lado do mar e alagava anualmente toda a área. Havia casas, por exemplo, que ficavam durante 6 ou 8 meses com 1m de água. Foram feitos numerosos projetos e Pe. Caetano conseguiu com o Governador Tasso Jereissati, uma galeria desde a Lagoa do Mel até o Oceano. Na continuidade desse trabalho, ao que parece o Governador Ciro Gomes decidiu realizar o projeto SANEAR, começando pela nossa comunidade.


Comunidade Arpoadores antes do Projeto Vila do Mar (2006)
Na Zona da Colônia dois grandes terrenos pertenciam à área desapropriada pela União Federal em 1962, no tempo de Pe. Helio. Esses terrenos, mesmo tendo sido desapropriados, haviam sido vendidos para duas grandes firmas. Pe. Caetano pediu o atestado do domínio da União, provando que os terrenos pertenciam à área desapropriada e, levando esse atestado, procurou os donos das firmas que compraram os terrenos. Um deles imediatamente cedeu o terreno para a comunidade, o outro entrou em questão. Tratando com o então prefeito Evandro Ayres de Moura, Pe. Caetano conseguiu dele o Conjunto Habitacional Nosso Chão. Cuja planta baixa foi realizada pelo próprio Padre, para providenciar o maior número possível de casas populares decentes e assim foi feito: mais de 100 famílias foram amparadas e tem suas casas próprias, o decreto da desapropriação de 25 de maio de 1962 (N° 1058), desapropriava, além de outro que vinha da Marinha até à Av. Dr. Theberge, um terreno, ainda desocupado na época de 525.000m², da Av. Dr. Theberge até a rua Francisco Calaça, para a realização de um plano de urbanização a fim de desafogar o povo do Pirambu e não continuar a invadir ou construir novas barracas, o que teria piorado o problema social desta imensa favela. Este segundo terreno foi entregue à responsabilidade do Estado para a realização deste lado do Pirambu, para este fim foi criada a COHAB-CE, que começou um projeto de casas populares construídas em regime de mutirão (“ajuda mútua”) e chegou a construir 128 casas e a escola (hoje CEJA Monsenhor Hélio Campos). Mas esta primeira parcela demorou 4 anos (1964-1968) e, depois da realização a COHAB se encontrou incapaz de entregar igualmente as casas ao povo, porque o terreno do antigo Pirambu estava ainda litigioso entre os antigos donos e a União Federal. Enquanto não chegassem a um acordo, a União Federal não podia dar o título legal de propriedade aos moradores. A COHAB teve, portanto, de desistir de seu projeto e entregou ao Centro Comunitário Cristo Redentor, sobre a presidência de Pe. Caetano, ele teve a incumbência de continuar, mesmo precariamente, este projeto. O Centro Comunitário Cristo Redentor loteou 1.200 casas naquela área, efetivando com a ajuda da SUMOV, inspirando-se nos levantamentos e nas plantas já realizadas pela COHAB, alinhamento de rua, e assim possibilitar construir calçamentos e iluminação das casas e iluminação pública, etc. Tudo isso foi cadastrado e entregue às pessoas mais necessitadas e acompanhando, caso por caso e casa por casa por uma equipe da comunidade, técnicos da SUMOV e o próprio Pe. Caetano. Quando se autorizava a construção, as medidas eram especificadas, com a obrigação de levantar pelo menos a frente de tijolos e construir um sanitário; nenhum detalhe que possibilitasse um maior conforto e saúde ao povo carente era por ele esquecido.

Padre Caetano com alguns moradores de seu querido Pirambu

Idealizou e esteve à frente da construção de todas as capelas das respectivas Zonas que compõem o Bairro de Cristo Redentor, de uma maneira muito especial também projetou e esteve a frente da construção de nossa Matriz Cristo Redentor. Contudo, apesar de seu grande trabalho social em nosso bairro, faltou dois projetos seus a serem realizados, dois sonhos que infelizmente não realizou em vida, a saber, a construção de um posto de Saúde e uma escola profissionalizante.


Construção do Salão Polivalente Cristo Redentor, hoje Igreja Matriz
Zona de Japão

Igreja Matriz Cristo Redentor hoje, após reforma

LINHA DO TEMPO

28/03/1968: Chegada ao Brasil no Mosteiro de São Bento - Salvador/ BA. Faz trabalho pastoral na Favela do Pau Miúdo e leciona na Universidade Católica de Salvador;
11/1968: Chegada em Fortaleza/ CE (Pirambu) onde é acolhido por Dom José de Medeiros Delgado e Padre Helio Campos;
25/01/1969: Funda a Paróquia Cristo Redentor, desmembrando-a da vizinha Paróquia Nossa Senhora das Graças, fundada pelo seu amigo Pe. Helio Campos;
1969: Funda a Comunidade Infantil Cristo Redentor, amparando crianças abandonadas da comunidade e adotando algumas com seu sobrenome;
12/10/1969: Funda o 13º Grupo de Escoteiros do Ceará (Grupo Cristo Redentor) com ajuda da Marinha de Fortaleza. Conta-nos que na sua infância foi escoteiro;
29/04/1970: Funda juridicamente o Centro Comunitário Cristo Redentor (CNPJ 07.342.330/0001-04);
24/04/1974: Funda o Bairro Cristo Redentor, que antes era conhecido como Tirol;
1975: Recebe exclaustração de sua antiga ordem Cisterciense de Orval (Bélgica), tornando-se padre diocesano e ficando à disposição da Arquidiocese de Fortaleza;
1975: Depois de um Retiro em São Paulo com o padre jesuíta Eduardo Doughert tem seu contato com a Renovação Carismática Católica (RCC), trazendo esta experiência para sua Paróquia. Torna-se teólogo do movimento e primeiro diretor espiritual do mesmo na Arquidiocese de Fortaleza;
07/03/1975: Envia uma carta ao presidente da Câmara Municipal de Fortaleza solicitando a mudança do nome de seu bairro para Cristo Redentor. Em 02/05 do mesmo ano sai a autorização no Diário Oficial, sendo o Padre o responsável pela divisão territorial;
11/01/1981: funda o Instituto Religioso Nova Jerusalém, uma congregação que tem como carisma o estudo e propagação da Palavra de Deus;
1984 - 2005: Cria e edita a Revista Bíblia Brasileira (RBB), periódicos especializados no estudo crítico e científico da Bíblia;
16/09/2003: Recebe o título de Cidadão Cearense. Autoria do Deputado Francisco Caminha (PHS) e sancionado pelo Governador Lúcio Alcântara - Lei n. 13.365;
30/06/2006: Professa os votos religiosos como membro do Instituto Nova Jerusalém;
01/01/2010: aos 84 anos falece por enfermidade degenerativa na Gastroclínica (Bairro Aldeota).


_______________________________
Fontes:

Arquivos do Instituto Religioso Nova Jerusalém
Arquivos da Paróquia Cristo Redentor
Arquivos do Centro Comunitário Cristo Redentor
Arquivos do Centro Comunitário do Pirambu

Por Ir. Narcélio Ferreira de Lima, NJ
Membro do Instituto Religioso Nova Jerusalém, graduado em Filosofia pela Faculdade Católica de Fortaleza - FCF e graduando em Teologia pela Faculdade Diocesana de Mossoró - FDM

4 comentários:

J. Terto de Amorim disse...

A primeira foto é realelmente de 1953??

Unknown disse...

João Viana "Também acho que esta foto é posterior à data colocada. Nasci em 1956 e lembro-me quando criança de muitas dunas e lagoas. As casas eram espaçadas. Mas esta foto me traz muitas recordações. Foi muito bom rever esta paisagem, que com certeza mostra a realidade de minha infância" João Alves Viana

Verônica Viana disse...

O outro problema da informação é que esse trecho não equivale ao que foi atingido pelo projeto Vila do Mar. O trecho da rua atingido pelo Vila do Mar é o que foi posteriormente chamado de rua do Avanço, um prolongamento da Santa Elisa, depois da dr. Theberge, em direção à barra do Ceará.

Narcélio Ferreira Lima disse...

Obrigado pelas observações. O ano da primeira foto, segundo legenda do painel que está no Centro Comunitário do Pirambu, é de 1963 (e não 1953).

Postar um comentário